Esta terça-feira fica marcada pelos protestos dos trabalhadores do Serviço de Finanças de Beja em frente às instalações da instituição, na Praça da República.

Em nota de imprensa enviada às redações, o Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI) sublinha que a manifestação de hoje ocorre no âmbito do protesto nacional promovido por esta estrutura sindical contra o que diz ser o “colapso” da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT).

A mesma fonte frisa ainda que as pretensões incidem, sobretudo, na “dignificação profissional dos trabalhadores que se encontram com um regime de carreiras por regulamentar há mais de dois anos, o que entre outros problemas, os impede de progredir na carreira que neste momento é uma carreira a 90 anos”.

Perante este cenário, a estrutura sindical avançou, na passada sexta-feira, com um novo pré-aviso de greve agendada para o próximo mês, que dá continuidade às ações de protesto que se realizam um pouco por todo o país.

O STI pretende “criar incómodo e pressão, não nos cidadãos, mas na Direção-geral da AT e no Governo, querendo ver, da parte destes, de uma vez por todas, soluções, preto no branco, com vista à dignificação das carreiras dos mais de 10 mil efetivos do sector”, explica o Sindicato.

Ana Gamboa, presidente do STI, deixou na Rádio Pax o descontentamento sentido pelos trabalhadores.