GREVE – DIA 1

A Greve dos trabalhadores da AT iniciou-se hoje, num feriado, para realçar as funções aduaneiras que são desempenhadas nos portos e aeroportos do país, essenciais para o controlo e segurança da fronteira externa da UE.
A esmagadora maioria dos trabalhadores dos serviços aduaneiros, em aeroportos e nos terminais marítimos, aderiu à greve, cumprindo apenas os serviços mínimos obrigatórios.

Esta manhã, uma delegação da direção nacional e da direção distrital de Setúbal, do STI deslocou-se ao Terminal XXI em Sines, que é o maior porto de contentores do país e dos maiores da Europa, tendo reunido com os trabalhadores que, em serviços mínimos, garantiram apenas o desalfandegamento de géneros alimentares deterioráveis, animais vivos, mercadorias legalmente consideradas perigosas (produtos inflamáveis, explosivos, tóxicos e combustíveis), medicamentos urgentes, produtos ou aparelhos indispensáveis à realização de cirurgias ou exames e féretros.

Amanhã, para cumprir o segundo dia de greve, a Direção do STI, deslocar-se-á pelas 9 horas ao Serviço de Finanças de Lisboa 1, com o foco no desfalque dos recursos humanos e entupimento dos serviços, com claros prejuízos para os contribuintes.

A regulamentação do novo regime das Carreiras Especiais da Autoridade Tributária e Aduaneira, a abertura do concurso para a transição das carreiras subsistentes, a abertura de todos os procedimentos concursais anunciados em 2019, a conclusão dos concursos e mobilidades pendentes há mais de dois anos e o reforço dos quadros das carreiras especiais com a abertura do concurso externo, são o mote para a greve convocada pelo STI – que congrega cerca de oito mil trabalhadores da AT.

Ainda no leque de problemas a resolver, o Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos destaca o estado de crescente degradação da AT que leva a que os trabalhadores se sintam injustiçados, extenuados e descrentes, a deficiente gestão de recursos humanos, a robotização das funções inspetivas e a falta de condições para prestar um bom e eficaz serviço no apoio ao cumprimento, no controlo da fronteira externa da União Europeia e na prevenção, investigação e combate à fraude e evasão fiscal e aduaneira.